O que é Reflexologia?

O que é Reflexologia Fisiológica Neural?

O que é?

O que é?

foot-reflexology-peq
A Reflexoterapia é uma terapia ou tratamento de saúde não invasivo e não medicamentoso, aplicado através de estímulos em terminações nervosas em pontos específicos nos pés. Tem como objetivo restabelecer o equilíbrio físico e emocional, e assim identificar, tratar e previnir doenças.

É uma poderosa ferramenta aplicada isoladamente ou potencializando outros métodos terapêuticos. Tem obtido enormes resultados por muitos profissionais que trabalham pelo bem-estar físico e emocional dos seus pacientes.

É a “Mais Antiga e Natural de Todas as Terapias”. Trata as pessoas com os seus próprios recursos biológicos (neurológicos, endócrinos, estruturais), sem invasão (cirurgia, agulhas, etc.) e sem medicação (alopática, fitoterápica, etc.).

Como funciona?

Como funciona?

A Reflexologia identifica, trata e previne (profilaxia) distúrbios físicos e emocionais através de estímulos em terminações nervosas (pontos) específicos nos pés. Esses estímulos percorrem o corpo, via medula, até a sede do Sistema Nervoso (SN), o cérebro, que por sua vez provoca uma reação eletroquímica passando a corrigir as enfermidades já instaladas e proporcionando o restabelecimento da comunicação entre o cérebro e o tecido afetado. Além desse grande benefício a Reflexologia também potencializa os resultados de tratamentos alopáticos, homeopáticos e outros.

É como se inseríssemos uma longa e fina agulha através do crânio (se fosse possível) e déssemos um estímulo elétrico numa área específica (se fosse conhecido) do cérebro. Ao invés de um procedimento invasivo como esse é feito a mesma coisa utilizando-se dos próprios terminais nervosos existentes nos pés do paciente.

Esse procedimento tem por objetivo estimular as funções do Sistema Nervoso (principalmente), que por sua vez se encarrega de devolver o equilíbrio (homeostase) do organismo. Isso ocorrendo o paciente volta a ter um sono reparador, ocasião essa em que acontece a nutrição e a excreção celular, que por consequência resolve muito dos problemas de irritabilidade, exaustão, falta de concentração, confusão mental, dores, etc.

Outra consequência dessas funções normalizadas diz respeito ao correto funcionamento da energia do corpo que é o Trifosfato de Adenosina (ATP), o combustível que permite a vida ao ser humano, que vêm da alimentação ingerida e do oxigênio respirado. Quando em estresse o organismo humano gerencia mal o mecanismo de absorção de energia impedindo sua distribuição às células. Quando isso acontece a pessoa fica prostrada, cansada, desanimada, sem iniciativa, sem criatividade, apática, letárgica. Ou seja, em estresse excessivo o organismo não usa corretamente os recursos estocados e/ou não absorve os nutrientes necessários à manutenção da vida.

Quando as funções orgânicas estão em homeostase (equilíbrio) os receptores de membrana celular estão livres para desempenhar seu papel de permitir que o ATP entre e as mitocôndrias tenham energia para trabalhar.

Também provoca o equilíbrio do Sistema Endócrino (glandular), responsável pelas químicas naturais (hormônios) do organismo. Isso acontecendo o paciente resolve muito dos nervosismos, esgotamento mental, etc., bem como de muitos males “emocionais” porque muitas vezes esses são apenas o efeito da desorganização química e elétrica do corpo, tais como: insegurança, possessividade, medos, ansiedade, baixa autoestima, depressão (depressão – de acordo com a OMS será a segunda causa de invalidez no mundo até o ano 2020), etc.

Que doenças trata?

Que doenças trata?

Segundo a “Federação Internacional de Coach” (www.coachfederation.org) existem dez princípios comportamentais que, se repetitivos ou intensos, indicam quando uma pessoa deve ser encaminhada para terapia. É quando for percebido:

  • Hiperatividade ou exaustão;
  • Desespero ou desesperança;
  • Aumento ou diminuição de apetite;
  • Comportamento impulsivo ou de risco;
  • Sentimentos de culpa ou desmerecimento;
  • Explosões de raiva ou excessiva irritabilidade;
  • Pensamentos constantes sobre morte ou suicídio;
  • Pensamentos inoportunos ou dificuldades de concentração;
  • Dificuldades para dormir ou insônia durante a noite ou então dormir excessivamente;
  • Uma diminuição das experiências de prazer ou aumento do estado de tristeza ou desamparo.

Como qualquer terapia, ortodoxa ou não, a Reflexologia também não é nenhuma panaceia. Embora gostaríamos que fosse, infelizmente ela também não é a cura para todos os males. Contudo, fica mais fácil dizer o que ela não trata. E são quatro as situações:

  • Lesão de órgãos (o órgão foi retirado);
  • Lesão de medula (nem a Reflexologia e ninguém mais, por enquanto);
  • Problemas congênitos (nasceu desse jeito – talvez uma cirurgia corretiva resolva);
  • Problemas virais e bacteriológicos (neste caso estimula-se do Sistema Imunológico forçando o próprio corpo combater tais organismos).

De restante a Reflexologia se propõe a tratar de tudo. Em qual proporção e em quanto tempo? Aí vai depender de vários fatores, tais como: a dimensão do problema, da idade do paciente e dos seus hábitos.

Dependendo da patologia como o câncer, por exemplo, a Reflexologia não poderá fazer nada a respeito, mas diminuirá substancialmente o desconforto causado pela radioterapia ou pela quimioterapia e com certeza proporcionará uma qualidade de vida mais digna até a pessoa falecer e que isso aconteça com menos dor e em paz.

Importante enfatizar também que a Reflexologia tem uma fortíssima ação profilática. Ou seja, doenças que talvez alguém teria no futuro são interrompidas ou desaceleradas a partir do momento em que essa pessoa se beneficia da técnica.

Quais são os resultados?

Quais são os resultados?

Na prática as pessoas e as empresas se beneficiam da técnica pessoal e profissionalmente por:

  • Aumentar a produtividade;
  • Diminuir os gastos com medicamentos;
  • Diminuir os problemas de saúde existentes;
  • Diminuir a rotatividade por problemas de saúde;
  • Diminuir o absenteísmo por problemas de saúde;
  • Evitar que novos problemas de saúde se instalem;
  • Auxiliar no aumento da qualidade dos relacionamentos (no trabalho e em casa);
  • Melhora na qualidade de vida.
E quando não trouxer todos resultados esperados?

E quando não trouxer todos resultados esperados?

Ela continua sendo eficaz porque o reflexoterapeuta consegue avaliar fisiologicamente o paciente e direcioná-lo a um especialista da área médica porque muitas já quebraram e será necessária cirurgia e/ou medicação.

Deste ponto em diante a Reflexologia passa a ser uma terapia coadjuvante auxiliando a medicina, potencializando a medicação, o tratamento em si, provocando uma recuperação mais rápida e com menos dor e até mesmo auxiliando para que o paciente fique hospitalizado num período mais curto.

É aquela terapia recomendada por Robert Dilts?

É aquela terapia recomendada por Robert Dilts?

Exatamente!!! E ele a recomenda porque funciona. Na América do Norte, na Europa e na Ásia a Reflexologia tem lugar de destaque. No livro “NLP II – The Next Generation” (página 182-4) Robert Diltz, um dos maiores expoentes em Coaching e PNL do mundo, dedica algumas páginas para comentar a respeito da Reflexologia e sua eficácia:

(…) “Nossos pés são outra parte do nosso corpo que desempenham um papel fundamental em acessar e otimizar a inteligência da nossa mente somática”.

(…) “é baseada na noção que todas as partes do corpo são representadas nas mãos e pés e que pressionar em áreas específicas nas mãos ou nos pés tem um efeito terapêutico em outras partes do corpo”.

(…) “O reflexo do pé de um indivíduo revela seu estado total de tensão que resultou de uma vida inteira de adaptação ao estresse. Sinais de estresse nos pés é um roteiro para o reflexologista. Qualquer tipo de sinal de estresse encontrado é indicação de que o estresse e seus efeitos começaram a se acumular nas partes correspondentes no corpo”.

A “Organização Mundial da Saúde” (OMS) vem recomendando a Reflexologia já há alguns anos. A técnica vem sendo utilizada com muito sucesso em muitos hospitais pelo mundo.

Porque a extensão 'Fisiológica Neural'?

Porque a extensão ‘Fisiológica Neural’?

A Reflexologia que ensinamos se tornou tão diferenciada que necessitou ser acrescida uma extensão ao seu nome. Passou a ser denominada de “Reflexologia Fisiológica Neural”, face ao aprofundamento das pesquisas e estudos a ela dedicados.

Fisiológica: porque não é uma avaliação médica. É possível saber qual órgão está com problemas e até a dimensão deste problema face à dor que a pessoa sente no ponto correspondente nos pés, mas não é possível saber especificamente qual é o problema. Isto será diagnosticado por exames clínicos de responsabilidade médica.

Neural: porque atua diretamente no encéfalo (cérebro), quer pelas estratégias de Coaching e de PNL, quer pelos estímulos nos terminais nervosos nos pés do paciente.

Carregando...